Calculadora na mão: Cruzeiro quer o título do Brasileiro antes da finalíssima

Time celeste tem chances de conquistar o tetracampeonato brasileiro na 35ª ou na 36ª rodada, antes de decidir o título da Copa do Brasil com o Atlético-MG

O Cruzeiro tem um desejo: chegar ao segundo duelo da decisão da Copa do Brasil, no próximo dia 26, contra o Atlético-MG, já campeão brasileiro. As contas existem e mostram que o plano é possível. Para isso, a Raposa precisa superar a derrota dessa quarta para Galo e focar nos dois próximos jogos, contra Santos e Grêmio, ambos fora de casa. E para atingir o objetivo, os números já estão na cabeça dos jogadores. 
Faltando cinco jogos para o final do Brasileirão, é de quatro pontos a diferença do Cruzeiro para o São Paulo, que tem um jogo a mais (34 contra 33). No domingo, o primeiro pega o Santos no Pacaembu, e o segundo faz o clássico contra o Palmeiras. Se a vantagem aumentar para sete pontos (ou seja, com uma combinação de vitória celeste e derrota tricolor), já existe a possibilidade de título antecipado a partir da rodada seguinte.


Depois, o Cruzeiro enfrenta o Grêmio em Porto Alegre, na próxima quarta-feira, e o São Paulo folga na rodada nacional, já que entra em campo pela Sul-Americana. Uma vitória no Sul levaria a vantagem na liderança para dez pontos, faltando três rodadas.  
Mesmo os concorrentes que vêm atrás - Inter, Grêmio, Atlético-MG e Corinthians - também não teriam mais como alcançar os mineiros. 
Uma missão menos complicada é voltar das duas partidas longe de Belo Horizonte com sete pontos de vantagem sobre o více-líder. Neste caso, uma vitória sobre o Goiás, no Mineirão, pela 36ª rodada, garantiria o título a duas rodadas do fim. O duelo contra o Esmeraldino é justamente antes do segundo confronto diante do Atlético-MG.
Embora faça os cálculos, o Cruzeiro prega também atenção apenas no próximo jogo. O meia Éverton Ribeiro admite que pensa na hipótese de ser campeão antes da finalíssima da Copa do Brasil, mas para isso o Cruzeiro precisa virar a chave para o Brasileirão e encarar o jogo contra o Santos como mais uma final.
- A partir do momento que acabou o jogo contra o Atlético-MG, chegamos aqui com o pensamento no Brasileiro. A gente sabe que pode em três jogos garantir o título. Então, nada melhor chegar no próximo jogo e conseguir uma vitória. Sabemos que vai ser difícil, mas temos que fazer de tudo para garantir esse título o quanto antes – afirmou o meia.
O lateral-direito Ceará destacou a necessidade de pensar no Santos neste momento, mas admite que é interessante chegar à decisão da Copa do Brasil apenas com um foco, ou seja, já campeão brasileiro.
- Na verdade, o nosso pensamento é jogo a jogo. Abordamos uma partida de cada vez. Não adianta pensar no Grêmio se antes tem o Santos. Temos que pensar no Santos, na possibilidade de conquistar os três pontos. Não vai ser fácil. Nas últimas vezes foi muito difícil. Na última, pela Copa do Brasil, empatamos e conseguimos a classificação. Temos que abordar esse jogo como mais uma decisão, para que depois da partida a gente possa fazer o cálculo das possibilidades.
A expectativa é que o título brasileiro dê não só tranquilidade, mas também um gás extra aos jogadores para correr atrás de uma reação, já que o Cruzeiro perdeu por 2 a 0 no primeiro jogo da final da Copa do Brasil. Para o meia Éverton Ribeiro, esse pode ser o caminho para o time celeste, inclusive, superar o desgaste físico e ficar com os dois títulos.
- Com certeza (pode acender o time). Conseguindo esse título antecipado, vai nos dar ainda mais força para buscar a virada e conquistar também a Copa do Brasil - completa Ceará.
Segundo o site Infobola, do matemático Tristão Garcia, o Cruzeiro hoje tem 90% de chances de ser campeão do Brasileiro. O São Paulo tem 6%, e Inter, Grêmio, Atlético-MG e Corinthians têm 1%, cada.

Cruzeiro sofre revés no primeiro jogo da final da Copa do Brasil


Fotos: Washington Alves/LightPress
Da Redação
Maikyson Coelho
Em jogo extremamente equilibrado, realizado no estádio Independência, na noite dessa quarta-feira, o Maior de Minas foi superado pelo Atlético-MG, por 2 a 0. Luan e Dátolo fizeram os gols da partida, que era válida pelo primeiro confronto da final da Copa do Brasil. O duelo decisivo está marcado para o dia 26, às 22h, no Mineirão, onde o Cruzeiro espera contar o apoio da nação azul para conseguir o quinto título do torneio.
O primeiro gol do time mandante ocorreu aos oito minutos da primeira etapa, com Luan, em posição duvidosa. Já o último tento da noite foi anotado aos 13 minutos do segundo tempo, quando Dátolo aproveitou bola escorada por Carlos. Para o confronto derradeiro, a Raposa precisa de três gols de diferença para garantir o troféu sem depender do desempenho do rival. Se vencer pelo mesmo placar do embate dessa quarta-feira, a decisão será feita na cobrança de pênaltis.
No domingo, o time estrelado volta a jogar pelo Campeonato Brasileiro contra o Santos-SP, às 17h, na Vila Belmiro. Atual campeão da competição, a equipe cinco estrelas lidera o certame com quatro pontos de vantagem e um jogo a menos que o segundo colocado.
O jogo
A grande decisão começou com o Maior de Minas no campo de ataque. Com 40 segundos, Willian sofreu falta de Jemerson, na entrada da área. Ricardo Goulart foi para a cobrança, mas não conseguiu finalizar com precisão e a bola ficou com Victor.
O primeiro gol da partida aconteceu logo aos oito minutos. No lance, Marcos Rocha cobrou lateral na área, a zaga celeste afastou e bola sobrou com Josué. O volante tocou para o lateral atleticano que cruzou para Luan e este, em posição de impedimento, fez o gol do time rival, de cabeça. Atlético-MG 1 x 0.
A Raposa não demorou a responder e, aos 11 minutos, Marcelo Moreno chutou para boa defesa de Victor, após pegar sobra de arremate feito por Everton Ribeiro. Na sequência, em cobrança de escanteio, o boliviano desviou e Ricardo Goulart se esticou todo, mas não conseguiu alcançar a bola na segunda trave.
O confronto estava bastante equilibrado no primeiro tempo, com alternância de chances entre as duas agremiações. Aos 32 minutos, Dátolo recebeu pela ponta direita, driblou para o centro e arriscou de canhota. Fábio saltou no canto esquerdo e espalmou para escanteio. Na cobrança, a muralha azul interviu, novamente, e afastou o perigo.
2° Tempo
A primeira chance da segunda etapa foi da equipe mandante, com Dátolo, em chute de fora da área, aos dois minutos, que acabou nas mãos de Fábio. Em seguida, foi a vez de o time estrelado tentar o empate. Na jogada, Willian deu bom passe para Marcelo Moreno, mas o boliviano teve dificuldades para dominar a bola e finalizou, de forma desequilibrada, para a linha de fundo.
Aos 13 minutos, em jogada iniciada com cobraça de lateral, o time da casa ampliou o placar. O lance do gol começou com Marcos Rocha, que lançou a bola com as mãos na área celeste para Carlos. O atacante adversário não conseguiu fazer o domínio e acabou escorando para Dátolo, que finalizou com a perna esquerda, sem chances para Fábio. Atlético-MG 2 x 0.
Com a vantagem no placar, o clube rival adotou uma postura mais cadenciada, priorizando a defesa. Por outro lado, o Maior de Minas tentava se lançar ao ataque visando diminuir a diferença para o jogo de volta. Esse panorama dificultava a criação de jogadas e fazia com que a bola ficasse presa na faixa intermediária do gramado.
Com 36 minutos, Mayke fez boa tabela pela ponta direita e cruzou para Moreno. O artilheiro girou o corpo para finalizar, mas foi travado por Josué no momento do arremate. Apesar de o Cruzeiro continuar atacando, a melhor chance nos minutos finais foi atleticana, com Diego Tardelli. Aos 41, o atacante recebeu passe de Carlos e finalizou para excelente defesa de Fábio.
ATLÉTICO-MG 2 X 0 CRUZEIRO
Motivo: Primeira partida da final da Copa do Brasil
Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG)
Data: 12 de novembro de 2014, quarta-feira
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (Fifa/RJ)
Gols: Luan, aos oito minutos do primeiro tempo; Dátolo, aos 13 minutos do segundo tempo
Cartões amarelos: Josué (Atlético-MG); Samudio (Cruzeiro)
ATLÉTICO-MG: Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Jemerson e Douglas Santos; Josué, Leandro Donizete e Dátolo; Tardelli, Luan (Marion) e Carlos
Técnico: Levir Culpi
CRUZEIRO: Fábio; Mayke, Bruno Rodrigo, Léo e Samudio; Lucas Silva (Nilton), Henrique, Everton Ribeiro (Júlio Baptista) e Ricardo Goulart (Dagoberto); Willian e Marcelo Moreno
Técnico: Marcelo Oliveira
Fonte: Site Oficial do Cruzeiro

Atletismo azul brilha e conquista importantes resultados


Da Toca II
Angel Drumond
A equipe de atletismo do Maior de Minas brilhou neste fim de semana. Logo veio a primeira vitória em Caruaru-PE, na 2ª Corrida Noturna Liberdade. A prova aconteceu no sábado. Com percurso de cinco quilômetros de corrida e dois e meio de caminhada, o objetivo do evento foi promover o esporte e a prática regular de exercícios físicos na população. Competiram 840 atletas sendo a maioria de Caruaru. O grande Campeão foi o atleta do Cruzeiro Esporte Clube: Marcos Antônio Pereira com o tempo de 14 minutos e 40 segundos.

Em Belo Horizonte, o Cruzeiro deu um verdadeiro show na 1ª Corrida dos Comerciários de BH, vencendo os 5 km do masculino com direito a dobradinha sendo que o campeão foi o estreante Ronald Moraes Silva. Na prova dos 10 km o vencedor foi Justino Pedro da Silva e no feminino a grande campeã foi Edielza Alves dos Santos Guimarães na prova do 5 km e Sueli Pereira Silva na prova dos 10 km.

Competiram três mil atletas sendo a maioria de BH; Santa Luzia; Vespasiano; Confins; Pedro Leopoldo; Lagoa Santa; Itabirito; Ouro Preto; Conselheiro Lafaiete e Congonhas. A largada aconteceu no Marco Zero na Orla da Lagoa da Pampulha próximo a Toca da Raposa 1.

No Rio de Janeiro aconteceu a Corrida Eu Atleta 10 km, antiga Corrida Pan-Americana. A largada e chegada aconteceram em frente ao Museu de Arte Moderna, no Aterro do Flamengo. Participaram mais de cinco mil atletas, sendo a maioria do Rio de Janeiro.

O atleta do Cruzeiro Altobeli Santos Da Silva ficou brilhantemente com a terceira posição, com o tempo de 29 minutos e 54 segundos, sendo o 2º Brasileiro a cruzar a linha de chegada. 

Finalizando o final de Semana, o Maior de Minas competiu na 7ª Edição do Circuito Anapolitano de Corrida de Rua em Anápolis-GO,  e sagrou-se campeão com o atleta: Pablo Fagundes Da Costa que completou os 5 Km com o tempo de 14 minutos e 43 segundos. Participaram da prova cerca de 1.500 atletas, sendo a maioria de Anápolis; Rio Verde; Goiânia; Aparecida de Goiânia e Brasília-DF.

Fonte: Site Oficial do Cruzeiro

Final da Copa do Brasil - Cruzeiro X Atlético - #Crônica


Nem tudo na vida tem o privilégio de ser eterno. Se fosse característica intrínseca a todas as coisas terrenas, a eternidade seria apenas mais um atributo banal e efêmero, como a beleza, a força ou a nobreza.
A eternidade é mais que isso. Prescinde de qualquer determinação cronológica. É o diferencial entre ser e estar. É qualidade única dos imortais. Portanto, aqueles que ousam alcançá-la são muito exigidos e, por regra, atravessam caminhos mais sofridos que os demais.
Faz sentido.
A final da Copa do Brasil 2014 é um exemplo de algo que nasceu para durar para sempre. Uma decisão germinada em 18 de agosto e que não termina no próximo 26 de novembro. Vai muito além.
Pela primeira vez, a Copa do Brasil terá um prêmio a mais em disputa: a eternidade do sentimento, seja o festejo de glória do vencedor ou o luto de lamúria do vice. André Agassi, tenista digno da alcunha de eterno, define bem: “O que faz algo especial não é apenas o que você tem a ganhar, mas o que você sente que há para perder”.
Porém o cruzeirense não conjuga o verbo “perder” na primeira pessoa. O Cruzeiro é a antítese da derrota. É o clube combatido, jamais vencido. É o clube que carrega a vitória como uma vocação, não como um ideal. É o clube que não vence apenas um, vence todos.
O cruzeirense não se alimenta de crenças e místicas dúbias; ele respira sua afirmação absoluta. O cruzeirense não torce contra o vento; ele batalha a favor das cinco estrelas. O cruzeirense não vive do seu passado; ele usa sua história como propulsão para um futuro ainda mais grandioso.
Somos donos e guardiões de um livro de páginas infinitas. Muitas delas já escritas com roteiros épicos, devidamente assinados por seus protagonistas; outras ainda estão em branco, com autores indefinidos, mas prontas para serem preenchidas no momento certo.
Dizem que finais não são feitas para serem jogadas, mas, sim, vencidas. Vou além. Finais foram feitas sob medida para o Cruzeiro e sua inexorável aptidão para o triunfo.
Ignoremos o cansaço físico, o estádio pequeno, a disputa paralela do Brasileirão, a presença de visitantes em nossa casa, os devaneios sem km dos rivais, a garganta rouca e quaisquer outras adversidades. O momento é único e precisamos mostrar que o Cruzeiro somos nós!
Dentro de 30, 200 ou 600 anos, nossas vitórias serão ecoadas no silêncio ensurdecedor da eternidade. 26 de novembro poderá ser tão memorável quanto 9 de julho, 30 de novembro, 13 de agosto; Willian, Henrique, Ricardo e Marcelo poderão deixar de ser nomes comuns para atingir o patamar de Eduardo, Geovanni, Alexsandro e Nelson; e nós não seremos apenas testemunhas oculares, mas, sim, coadjuvantes de luxo de um enredo incomparável.
Tudo isso pode ser (e será!) eterno, não como a luz cintilante de uma estrela, mas como o interminável brilho azul de uma constelação.

Autor: Desconhecido

#Fábio600



Foto: Minas Veste Azul

Do anonimato à eternidade. Essa frase resume a trajetória de Fábio Deivson Lopes Maciel, que chegou ao Cruzeiro em 2000 como apenas mais um goleiro e hoje, em 2014, é um dos maiores ídolos da história do Maior de Minas. Colecionador de títulos, recordes e marcas expressivas, o camisa 1 completa, neste domingo, contra o Criciúma, o seu 600º jogo com o manto azul e fica a 33 partidas de se tornar o atleta que mais vezes atuou pela Raposa.

Indo a campo contra os catarinenses, a muralha azul estará com dez apresentações a menos que Dirceu Lopes, o qual é o segundo na lista dos jogadores que mais defenderam o time estrelado. Ciente desse dado, o arqueiro celeste se mostrou muito contente em poder alcançar números tão importantes e se igualar com grandes ídolos do passado vitorioso do Clube.

"Deus tem me abençoado nesse tempo que estou aqui no Cruzeiro. Conversei com o Dirceu Lopes e ele disse que estava na torcida para que o superasse. Fico feliz pelo reconhecimento desses grandes jogadores e por poder estar chegando nessa marca. Estou sendo presenteado por Deus, pelo Clube, pelo torcedor que, desde o princípio me deram a confiança para eu que pudesse jogar. Espero que eu possa jogar muito ainda com essa camisa  e conquistar mais títulos nessa trajetória dentro do Cruzeiro", comentou.

A fase de Fábio é excelente, assim como de todo o grupo cruzeirense. A Raposa lidera o Campeonato Brasileiro, com cinco ponto de vantagens para o segundo colocado, e está na final da Copa do Brasil. Para o arqueiro, os resultados que o Cruzeiro tem conquistado é um fruto de planejamento, dedicação e empenho de todos que trabalham no Clube.

"Essse momento é resultado de muita luta. No princípio da temporada nós almejávamos essas conquistas e sabíamos que seria necessário muita dedicação e empenho. Isso foi feito desde o primeiro dia de trabalho e permanece até hoje. Espero que continue assim para que possamos conquistar tudo o que havia sido planejado", finalizou.

Números do ídolo:
Jogos: 599; Vitórias: 345; Empates: 118; Derrotas: 136;  Gols sofridos: 641

Títulos pelo Cruzeiro:
Copa do Brasil (2000); Campeonato Mineiro (2006,2008,2009,2011,2014); Campeonato Brasileiro (2013)

Ficha completa da muralha azul:
Nome completo: Fábio Deivson Lopes Maciel
Posição: Goleiro
Nascimento: 30/09/1980 (Nobres – MT)
Altura: 1,88 m
Peso: 92 kg
Jogos: 599
Carreira: União Bandeirante-PR (1997); Atlético-PR (1998); Cruzeiro (1999-2000); Vasco (2000-2004); Cruzeiro (desde 01/2005)
Estreia no Cruzeiro: Cruzeiro 2 x 0 Universal-RJ, em 04/03/2000, amistoso, no Mineirão
Títulos na carreira: Copa do Brasil 2000; Copa Mercosul 2000; Campeonato Carioca 2003; Campeonato Mineiro 2006, 2008, 2009, 2011 e 2014; Campeonato Brasileiro 2000 e 2013
Convocações para a Seleção Brasileira: Sub-17; Sub-20; Sub-23 e Principal
Títulos pela Seleção Brasileira: Campeonato Sul-Americano Sub-17 1997; Campeonato Mundial Sub-17 1997; Copa América 2004 – Peru
Jogadores que mais atuaram pela Raposa:
1. Zé Carlos – 633 jogos
2. Dirceu Lopes – 610 jogos
3. Fábio – 599 jogos
3. Piazza – 566 jogos
5. Raul – 557 jogos
6. Eduardo Amorim – 556 jogos
7. Vanderlei – 538 jogos
8. Joãozinho – 485 jogos
9. Palhinha – 457 jogos
10. Ademir – 442 jogos

Fonte: Site Oficial

Tabela do Campeonato Brasileiro 2014 Tabela do Campeonato Brasileiro 2014

Tabela do Brasileirão 2014 FONTE: www.umacervejaporfavor.com

Calculadora na mão: Cruzeiro quer o título do Brasileiro antes da finalíssima Calculadora na mão: Cruzeiro quer o título do Brasileiro antes da finalíssima

Time celeste tem chances de conquistar o tetracampeonato brasileiro na 35ª ou na 36ª rodada, antes de decidir o título da Copa do Brasil c...

Cruzeiro sofre revés no primeiro jogo da final da Copa do Brasil Cruzeiro sofre revés no primeiro jogo da final da Copa do Brasil

Fotos: Washington Alves/LightPress Da Redação Maikyson Coelho Em jogo extremamente equilibrado, realizado no estádio Independência, ...

Atletismo azul brilha e conquista importantes resultados Atletismo azul brilha e conquista importantes resultados

Da Toca II Angel Drumond A equipe de atletismo do Maior de Minas brilhou neste fim de semana. Logo veio a primeira vitória em Carua...

Final da Copa do Brasil - Cruzeiro X Atlético - #Crônica Final da Copa do Brasil - Cruzeiro X Atlético - #Crônica

Nem tudo na vida tem o privilégio de ser eterno. Se fosse característica intrínseca a todas as coisas terrenas, a eternidade seria apen...

#Fábio600 #Fábio600

Foto: Minas Veste Azul Do anonimato à eternidade. Essa frase resume a trajetória de Fábio Deivson Lopes Maciel, que chegou ao Cruzeiro...

 
Layout por Layous Ceu Azul | Cruzeiro Torcedor | por: Willian Ernani